Self love

A minha cura através do amor-próprio e as minhas dicas para te apaixonares por ti

A nutrição holística, o yoga e a meditação foram as ferramentas poderosas que curaram o meu corpo e a minha vida, mas nenhuma delas teria funcionado se faltasse apenas um ingrediente secreto: o amor-próprio.

Quando fui diagnosticada pela primeira vez e tive de tomar 15 comprimidos por dia, ganhei cerca de 10 quilos em poucos meses, o meu cabelo começou a cair, as minhas unhas começaram a partir-se, o meu corpo começou a ficar muito fraco por não poder fazer qualquer tipo de exercício físico e deixei de reconhecer a minha cara ao espelho por estar muito inchada e três vezes maior do que o seu tamanho normal. Lembro-me de dizer as piores coisas sobre mim ao espelho. Eu estava totalmente desligada do meu corpo, da minha mente e da minha alma. Parece que estou a falar de uma pessoa totalmente diferente, mas esta sou eu não há muito tempo atrás.

Nessa altura, eu passei por um período horrível em que odiava o meu corpo todos os dias e em que experimentei todo o tipo de dietas. Até ao dia em que decidi que tinha de fazer uma mudança definitiva na minha vida e, com pequenos passos diários, comecei a mudar o meu estilo de vida e a cuidar de mim por amor:

Comecei a alimentar o meu corpo com os melhores alimentos que a natureza nos oferece:

Ainda me lembro de passar os Domingos à noite a chorar porque sabia que na segunda-feira de manhã tinha de começar a fazer uma dieta que, eu sabia de antemão, iria falhar nessa mesma segunda-feira à noite. Tudo o que eu queria comer eram frutas coloridas ou frutos secos nos meus lanches, mas sabem que mais? As frutas são ricas em açúcar e os frutos secos ricos em gordura, por isso, eu pensava que eu só podia comer iogurte e queijos magros. Eu dizia a mim mesma: “Inês, assim que atingires o teu peso ideal vais poder comer as frutas e os frutos secos que quiseres”. Depois de tanto tempo a cultivar uma relação péssima com a alimentação e sem saber que já estava a dar o meu primeiro passo nesta jornada de amor-próprio, eu decidi começar a nutrir o meu corpo com os melhores alimentos que a natureza tinha para me oferecer. Fiquei completamente apaixonada pelo poder de cura da natureza e devagarinho comecei a ouvir o meu corpo e a dar-lhe tudo o que ele pedia, mas na sua forma mais natural (Desejos por chocolate? Deliciava-me com cacau cru!). O que escolhemos colocar no nosso corpo, diz muito sobre o respeito e o amor que temos por ele. E nós não merecemos mais do que o melhor – alimentos naturais, inteiros, reais, que curam o nosso corpo e nos fazem sentir bem. Por vezes as pessoas perguntam-me se eu sinto falta de certos alimentos que antes comia. Mas como posso ter saudades de uma coisa que me faz sentir mal, quando eu posso comer alimentos que me fazem sentir viva e cheia de energia? Hoje eu amo profundamente e incondicionalmente o meu templo e escolho dar-lhe o melhor todos os dias! Não se trata de proibições ou restrições, trata-se de comer o melhor que a natureza oferece na sua forma mais natural! 

Comecei a fazer os exercícios que amo e que me fazem sentir bem

Sempre me senti muito atraída pelo yoga e por práticas holísticas. Mas adivinhem? “Inês, o yoga é para relaxar, o que tu precisas é de exercícios para queimar calorias. Assim que atingires o peso ideal, vais poder frequentar as aulas de yoga”. Eu repetia estas palavras para mim enquanto passava horas aborrecida na passadeira. Por isso, o segundo passo na minha jornada de amor-próprio foi começar a fazer exercício por amor ao meu corpo, não porque o queria mudar de alguma forma. Comecei a mover o meu corpo de forma harmoniosa e encontrei a minha verdadeira paixão pelo yoga. Hoje em dia, eu movo o meu corpo, não porque o quero mudar de alguma forma, mas porque me faz sentir maravilhosa! E exercitar-me é, sem dúvida, uma das melhores partes do meu dia!

Comecei a falar comigo como se falasse com a minha melhor amiga

“És tão feia”, “és gorda”, “não és merecedora”, “não consegues fazer nada”, “tu estás sempre a falhar, porque ainda tentas?”. Dizias isto à tua melhor amiga? Então, qual o motivo de passares o dia a dizeres estas e outras palavras negativas a ti própria? Quando eu me comprometi a levar a minha caminhada de amor-próprio ao próximo nível, eu tive mesmo de desligar estes pensamentos dentro da minha cabeça e substitui-los por palavras positivas. “Eu amo-me e aceito-me”, “eu sou perfeita, tal como sou”, “eu posso fazer tudo o que eu quero”, “eu sou merecedora”. Eu comecei a usar estas afirmações todos os dias e a qualquer momento que me apanhava a dizer algo negativo sobre mim, eu substituía imediatamente esse pensamento por um positivo. Eu continuo a praticar isto todos os dias, falo comigo como se estivesse a falar com qualquer uma das minhas melhores amigas.

Comecei a cuidar de mim todos os dias

Se queres realmente honrar o teu templo, tens de te comprometer a cuidar de ti todos os dias. Cuidarmos de nós não é egoísmo, porque quando cuidamos de nós podemos aparecer ao mundo como a melhor versão de nós mesmos e darmos o nosso melhor aos outros. Eu comecei a comprometer-me a cuidar de mim todos os dias, a comer bem, a mover o meu corpo por amor, a meditar, a dormir bem, a fazer uma massagem ou uma máscara de beleza natural de vez em quando ou simplesmente permitir-me relaxar quando mais preciso. Lembra-te de fazer alguma coisa por ti todos os dias porque tu mereceres o melhor do mundo!

E foi assim que eu criei o relacionamento mais mágico de sempre, aquele que tenho comigo mesma. E para que possas fazer o mesmo, tens de saber que és absolutamente perfeita exatamente como és. És linda e merecedora de tudo o que desejas para a tua vida. Aceita-te porque quando decidires amar-te a tua vida vai mudar completamente, tal como a minha mudou.

Estás pronta para começar a praticar amor-próprio já hoje? E se souberes de alguém que possa beneficiar deste artigo, partilha!

Muito amor,

Inês

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *