A nossa história de amor

Está agora a fazer seis anos que o universo nos juntou quase que por magia! A nossa história começou há muitos anos atrás, muito antes de imaginarmos que já estávamos a viver a maior história de amor das nossas vidas.

Eu tinha 15 anos quando conheci o Daniel. Tínhamos acabado de iniciar mais um ano lectivo quando começava a ser comum termos internet em casa. Entre milhares de jovens que começavam a dar os primeiros passos no mundo virtual, começámos a falar e logo nos tornámos inseparáveis. O dia já não era o mesmo sem que depois da escola nos “encontrássemos” para partilhar tudo o que tínhamos vivido e para juntos sonharmos acordados com os nossos planos futuros. A nossa ligação foi mágica e instantânea.

Os anos foram passando e cada um foi seguindo o seu caminho, eram anos de aventuras e descobertas. No dia em que fiz 18 anos, o Daniel escreveu-me a carta que iria mudar o rumo das nossas vidas. Eu era demasiado nova para perceber a magia daquelas palavras mas, exactamente 9 anos depois de nos termos encontrado pela primeira vez no mundo virtual, eu voltei a encontrar essa carta. E entre palavras de uma amizade tão profunda que me deixaram de lágrimas nos olhos, lia-se:

“Tenho de facto alguma pena por ainda nos termos conhecido pouco. Porque sejamos honestos, os nossos caminhos andaram sempre um pouco afastados. Mas digo-te frontalmente que, se um dia me dissesses que tinhas de ir ao fim do mundo porque precisavas de ir ao fim do mundo e que não podias dizer porquê, eu dizia-te na hora para esperares um nadinha porque ia fazer a mala para ir contigo. E dizia-o porque se um dia precisares de mim eu vou lá estar, porque sei que ao contrário farias o mesmo…”.

Após ler esta carta, tentei voltar a procurar o Daniel na Internet e desde esse dia nunca mais nos largámos. Conversávamos dia e noite como quando éramos crianças. Por esta altura o Daniel estava a viver na Africa do Sul. Durante um ano e meio namorámos à distância e viajámos um pouco por todo o mundo para nos encontrarmos. Em Abril de 2013 deixei tudo para me juntar a ele nesta aventura pelo mundo.

Afinal, fui eu que fiz as malas para ir ter com o Daniel ao fim do mundo, tal como ele sempre soube que o faria. Singapura, Londres, Abu Dhabi e Dubai tornaram-se a nossa casa e mostram-nos diariamente que a nossa casa é nada mais do que onde estamos juntos.

Lembro-me como se fosse hoje do dia em que voltámos à vida um do outro. Tínhamos começado a falar diariamente como quando éramos crianças mas, desta vez, apesar de queremos ficar finalmente juntos, estávamos separados por milhares de quilómetros. Durante toda a nossa vida apenas nos tínhamos visto três vezes, duas vezes complemente ao acaso. E, no Inverno de 2011, quando o Daniel regressou a Portugal para celebrar o Natal fez-me uma das maiores surpresas de sempre. Naquele dia eu tinha acordado atrasada e, sem tempo para até tomar banho, vesti a primeira roupa que me apareceu à frente. Esse foi o dia que ele escolheu aparecer no meu trabalho após anos sem nos vermos.

Assim que o vi, fiquem sem palavras e dei-lhe imediatamente a mão. Não sei o que me levou a fazê-lo, só sei que para mim era o ato mais natural do mundo. Apesar da distância física durante toda a nossa vida, as nossa almas eram e sempre tinham sido íntimas. Ele olhou para mim com aquele olhar de quem vê a pessoa mais linda do mundo, sim porque para ele nunca importou a minha aparência física! Esta era também a altura em que a minha doença estava pior e nem eu me reconhecia ao espelho. Mas, para ele, eu sempre fui perfeita! Porque ele sempre viu a minha alma despida de qualquer adereço. E foi pela minha alma que o Daniel se apaixonou. Assim como eu me apaixonei pela alma dele.

Passados poucos dias, ele teve de partir mais uma vez. Não sabia o que o futuro nos reservava a vivermos em lados opostos do mundo. Como poderíamos nós fazer esta relação dar certo? Mas, no dia 14 de Fevereiro de 2012, eu tive a resposta. Recebi uma carta em casa que nada mais era do que um bilhete de avião para ir ter com ele a Paris exactamente três dias depois. Paris foi a confirmação do nosso amor. Afinal, quando se luta por um amor assim mesmo perante qualquer obstáculo, só pode dar certo. Deste então, nunca mais parámos de viajar para nos encontrarmos e, pouco mais de um ano depois, já estava a deixar o meu país para seguir o Daniel nesta aventura pelo mundo, a decisão mais certa da minha vida e da qual nunca duvidei.

A nossa relação não é perfeita, temos altos e baixos como qualquer outro casal, mas o mais importante que tudo é que nos amamos incondicionalmente e somos o maior apoio e força um do outro! Os últimos anos têm sido de enorme transformação para nós, tanto a nível pessoal como profissional, ao mesmo tempo que temos mudado de casa e cidade todos os anos e enfrentado a solidão de começar do zero sem família ou amigos! Mas tudo isso nos tem tornado mais fortes e mais unidos porque, afinal de contas, tornamo-nos na família um do outro e tudo o que temos onde quer que estejamos no mundo.

Meu amor, muito do que sou devo-te a ti! Inspiras-me a ser melhor todos os dias e, sobretudo, inspiras-me a ser eu própria e a saber que sou perfeita exactamente como sou. Parabéns a nós e que venham muitos mais anos juntos!

“Juntos não vamos ser dois, também não vamos ser um, vamos ser infinito”. Palavras que me enviaste numa das milhares de juras de amor que enviamos um ao outro através de cartas e que, um dia, usaremos para escrever o livro da nossa história de amor para provarmos ao mundo que não existem amores impossíveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *